Quais são os riscos do fracionamento de um remédio sem consultar um farmacêutico?

  • +A
  • -A

Depois que o médico realizou o diagnóstico de um problema de saúde, é hora de indicar as opções de tratamento ao paciente. Em muitos casos, o médico receita um ou mais medicamentos, com a posologia recomendada. No entanto, alguns tratamentos dependem do fracionamento das dosagens, ficando a cargo do paciente, por exemplo, a divisão de um comprimido em dois. Nesse caso, é importante estar bem informado, para não consumir quantidades insuficientes ou excessivas dos princípios ativos encontrados nos medicamentos receitados.

 

Entenda o que é o fracionamento 

 

O fracionamento de medicações é regulamentado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Nesses casos, a embalagem já vem com a divisão, facilitando a vida do consumidor e reduzindo os riscos. A embalagem deve ser desenvolvida especialmente para esse fim e é aprovada pela Anvisa antes de chegar ao mercado.

Entretanto, é preciso muito cuidado e atenção ao fracionar um remédio. “A grande maioria das medicações precisa de cuidados com o armazenamento, como embalagens que protegem da luz e da umidade”, afirma a farmacêutica Vivian Costa. Ela explica que a embalagem é muito importante para conservar os medicamentos e, assim, manter suas propriedades terapêuticas.

A especialista destaca também os cuidados com o uso de porta comprimidos, que pode deixar o paciente confuso. “Muita atenção também ao usar porta cápsulas. O ideal é que seja utilizado apenas o fracionamento por um período de 24 horas, identificando sempre com etiquetas”, explica Vivian.

 

Alguns medicamentos não podem ser fracionados

 

Vivian indica o fracionamento para que o tratamento seja feito de maneira correta, evitando esquecer ou pular os horários certos para tomar o medicamento. No entanto, nem todos os medicamentos podem ser fracionados. “Um exemplo são as preparações estéreis aplicadas diretamente no corpo através de injeções. Nestes casos, devemos descartar de forma correta o que sobrar”.

Caso você precise fracionar alguma medicação, não fique com dúvidas: Converse com seu médico e com o farmacêutico, para ficar confiante e seguir o tratamento sem riscos desnecessários.

 

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Vivian Costa

Vivian Costa

Farmácia

CRM: 27709 / MG

TAGS
farmacia
Nenhum comentário para "Quais são os riscos do fracionamento de um remédio sem consultar um farmacêutico?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.